Saci Urbano para Cidadão. Vote 777

Faltam poucos dias para as eleições deste ano de 2010, e o Saci Urbano logo viu a demanda de lixo visual nas calçadas e nas ilhas de muitas avenidas das cidades metropolitanas deste estado paulista de ser.

Conferiu o crime ambiental cometido pelos próprios candidatos a eleição –  uma vez que outros dessa mesma espécie criaram leis para punir os artistas de rua que deixam marcas visuais  bem mais interessantes que essa sujeira deslavada desses “puliticos” mal-feitores.

Olhando tudo isso, cheguei à conclusão de que o Saciu (Abreviação de Saci Urbano – sem se prender as normas da ABNT.) faria uma brincadeira com essa situação vergonhosa para o bom senso dos “cidadãos”. 

Foi então que apareceram algumas marcas de aparições com uma suposta campanha do Saciu para candidato a cidadão brasileiro.

Hahaha!… Mas é claro que o Saciu jamais quisera se tornar um cidadão deste país, pois assim ele estaria sentenciado a sua prisão de estado.

Estaria nas mãos do governo para ser mautratado de forma sutil e despercebido.

Teria que dançar conforme a “musica de câmaras” – se é que me entende!?… Não esbanjaria mais dessa liberdade natural que tem de aparecer “aqui-e-a-colá”.

Depois de muito tempo de pura ignorância por parte dos homens de poder é que o estado resolve adotar medidas de sustentabilidade – palavra tão recente propagada que escrevendo este texto me apareceu uma rasura de cor vermelha debaixo dela: “sem sugestões de ortografia”, e que eu também não achara no minidicionário da lingua portuguesa. Ou seja, se o progresso é este que primeiro destrói para depois construir e depois cria novas palavras que os “puliticos” e as empresas capitalistas acrescentam em seus discursos e propagandas fascistas, eu prefiro ficar no anti-progresso mesmo. Prefiro viver de forma simples e sentir a t[T]erra como sugere o nosso amigo desobediente dessas condições, o Saci Urbano.

Sacis Urbanos para 2010

 

Como podemos visualizar na foto acima, a legitima intervenção feita pelo Saci Urbano, digna de seus atrevimentos-travessos como forma de participação social, mesmo que feita simbolicamente, que logo se torna real e verdade, pois a mensagem interada nos outdoors, localizados no município de Mauá, sem dúvida, expressa a informação de suas aparições nessa cidade.

 Então reforçamos aqui a mensagem: “2009 O RESULTADO JÁ APARECEU. 2010 VAI SER MUITO MELHOR”.

 E vai ser mesmo, não necessariamente apenas na cidade que aqui fora citada, inclusiva será em muitas outras desse grande país, que eu conheço como o Brasil de negros, brancos e índigenas. Portanto, de fato: a “mestiçagem” toma conta. Viva a diversidade!

 

Trafegando em Veículos “não-poluentes”

Sabia que o Saci Urbano também anda de bicicleta? E porque não?

O fato de ele ser perneta não justifica que seja incapaz de correr se equilibrando por duas rodas. Mas, até aí é fácil. O estranho é como ele pode pedalar com apenas uma perna?

Quem já saiu pra um rolê distante em cima de uma magrela e no meio do caminho o pedal calhou de se quebrar, ou mesmo que estivesse com a rosca espanada e não se firma mais no pé-de-vela. Daí é que o ciclista encontra uma solução e se torna um Saci pondo toda a força em apenas uma das pernas, na que tem o pedal funcionando normalmente, para que o pé-de-vela complete o movimento de 360º (graus) contínuo. Então o “cidadão-saci” prossegue o seu trajeto, e não passeio; porque essa pessoa que se faz de saci deveria estar no percurso a caminho do trabalho, pois se fosse apenas um passeio, sem ter pressa de chegar no horário, essa pessoa não se ajeitaria dessa forma, talvez ligasse para alguém acudi-lo, ou empurraria sua bicicleta até encontrar alguma ajuda; ou retornaria para casa.

Sendo um mero (operário), que depende desse tipo de veículo – não-poluente – para se locomover ao trabalho, no entanto a necessidade “fala mais alto” e o cara acha a forma mais simples, porém, não mais confortável, para seguir adiante e não chegar atrasado em seu emprego, pois o chefe e/ou encarregado, não ta nem aí, se o pneu da magrela furou, ou se este brasileiro sofreu algum tipo de acidente na rua, pois ainda não é em todo lugar que se encontram ciclovias para trafegar com veículos não-poluentes.

Detalhe: na aparição desse Saci Urbano em horário comercial só se via trabalhadores “esquisitos” – assim como eu – indo e vindo com suas bicicletas de modelos variados, muitas dessas compostas com peças de vários outros modelos, garantindo seu perfeito funcionamento para trafegar sobre a ciclovia e calçadas esburacadas.

A “Cidade Limpa” é Cinza

Ao chegar a São Paulo o Saci Urbano talvez tenha percebido o forte e predominante cinza da cidade, e uma das suas novas travessuras é o fazer do Graffiti nas paredes cinza, que assim, representando muitos dos grafiteiros e artistas de rua, que lutam para ocuparem o seu espaço no mundo e aliviar a essa sensação de depressão do ambiente. Se não bastasse a falta do verde natural das árvores, nas quais absorvem uma boa parte da poluição cotidiana contemplada pelas centenas de indústrias e os milhares de carros que sopram, no que contribuem para as discussões sobre o assunto do momento: O Aquecimento Global.

Por isso o Saci Urbano vai representar fazendo mais um graffiti assim que o operário da prefeitura dessa cidade apaga os que já tinham ali, e acho que serve também como afirmação da efemeridade da arte de rua e resistência contra a agressão do bom senso.

saci na Brigadeiro com a 13 de maio,sp_01

saci na Brigadeiro com a 13 de maio,sp_02

Este trabalho está localizado debaixo do Viaduto Armando Puglisi (Armandinho do Bexiga), entre a Brigadeiro Luis Antônio com a 13 de maio, no alto do Bexiga, sp.

 

Faremos Sacis Urbanos daqui pra frente

As pessoas me perguntam se sou mesmo um Saci Urbano, até pela coincidência de usar uma boina de cor vermelha. E eu digo que posso ser sim um “saci-urbano”. Então logo elas me provocam –  mas você está com suas duas pernas e o saci, só tem uma!?

 

Aí eu respondo o seguinte:

 

 O Saci Urbano pode ser o cara que vai representar o negro e/ou pobre brasileiro que, além das suas dificuldades, consegue se virar quase sempre com suas duas pernas. Mas quando o Saci Urbano consegue fazer suas estripulias com uma perna só, sem o auxilio de muletas ou coisa parecida, ele será o exemplo do brasileiro excluído de seus direitos institucionais, enquanto “povo-parido-de-sua-pátria”; o mesmo pai de família que sustenta sua morada e seus cinco filhos com um financeiro que não ultrapassa os 80% de um salário mínimo por mês.

 

Este sim, é um pobre brasileiro, porém, é bem provável que em muitos momentos de sua vida, ele se fará sorrindo e se divertindo com sua maneira ignorante-passiva de ser, como qualquer outro cidadão “popularesco” de uma periferia construída pela elite branca, desde sempre, dominadora. E será justo naqueles momentos em que, talvez, você (indivíduo de classe média) se encontrará deprimido(a) por algum motivo fútil, mesmo com seus 4  salários mínimos por mês, ou daí pra mais, se entorpecendo com drogas químicas ilícitas, para conter o seu tédio de cidadão nobre, duma sociedade doente – até então, sem expectativa de cura.

 

O Sasçu é um cara esperto, ele aproveita bem o espaço.  Ou seja, não me precisa faltar uma perna, ou um braço para eu mostrar que mesmo parecendo impossível eu seja capaz de realizar [sonhos] com sucesso. Acho que isso vale como inspiração para todos nós, que estamos cada vez mais acomodados com o que nos dão – as sobras.

 

Nos faremos “sacis-urbanos” quando deixarmos para trás essa aceitação passiva da opressão hipodérmica do sistema explorador e excludente, no qual somos subordinados  a tal humilhação para garantir o sustento de amanhã. Ao invés de apenas reclamarmos, vamos a luta e fazer-acontecer alguma coisa de bom senso. Não custa muito, comecemos com um “bom dia” para nós mesmo, e depois, repassemos para o sujeito alheio, sem a intenção de cobrar qualquer retribuição pelo agrado solidário.

 

Saci 26